O bichinho da corrida

Há pouco mais de um ano atrás, meu eu do passado reclamava que nunca conseguiria correr na vida. Olhava as pessoas correndo na rua e admirava, pensava “Puxa, essas pessoas são demais. Eu nunca vou conseguir fazer o que elas fazem”. Não foram poucas as tentativas em que eu tentei ultrapassar a barreira dos 5K. E todas terminaram sem sucesso.

Em algum dia frio de novembro de 2012, eu subi na esteira, determinada a conseguir passar dessa barreira. Pensei: “Vamos fazer isso com calma. Vai que eu consigo!” E não foi por menos. Eu consegui passar a barreira dos 5K. Lembro que levei algo em torno de 40 minutos para terminar, mas eu consegui terminar. Voltei pra casa eufórica, abracei meu namorado e comemorei naquele dia meus primeiro 5K corridos. Mal sabia eu que o bichinho da corrida começava a me morder.

Em fevereiro de 2013, corri minha primeira corrida oficial. Foi durante minhas férias no Brasil, com minha melhor amiga e meu namorado. Nunca vou me esquecer a vibe daquela corrida. Pessoas felizes, dançando, contentes. E o bichinho da corrida começou a morder mais forte. Comecei então a aumentar distâncias, chegando aos 10K. Foram mais duas corridas, agora na Alemanha. A confiança aumentava com cada treino, e eu me inscrevi numa meia-maratona.

Neste domingo, dia 13 de outubro, irei correr minha primeira meia-maratona. Estou muito ansiosa, com bastante medo de não conseguir terminar a prova, dado o resultado da última corrida no domingo passado. Minha canela esquerda dói muito ainda, inflamada, resultado de muita forçação de barra nos treinos e tênis inapropriados. Por causa dessa canela, pensei que esta seria minha última prova do ano, me colocando “de molho” pelos próximos 3 meses. Neste tempo, eu investiria na academia, trabalhando a musculatura e reforçando a musculatura das pernas.

Ingenuidade a minha.

O bichinho da corrida já está me mordendo de novo, cogitando correr uma prova de 10 milhas (16K) em Porto Alegre. Seriam 3 semanas depois da meia-maratona. E na semana seguinte a essa, tem outra corrida que parece ser legal, de revezamento. Seriam novamente algo em torno de 10K na minha conta. Fico em dúvida. Minha perna precisa desse descanso, do jeito que está, ela não pode continuar. Mas ao mesmo tempo, o bichinho só me induz a ir além. Já tinha ouvido falar que corredores são pessoas estranhas, com seus hábitos não-convencionais e por não respeitarem muito seus limites físicos.

Agora eu consigo entender porquê.